Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensamentos aleatórios #14

por mandarina, em 13.03.12

Numa cidade que contém população em número equivalente à de Portugal no todo. Ou seja uns meros 10 milhões, e num país de 1.3 biliões de pessoas só dá para ser de uma maneira, ou bem que te impões de alguma maneira ou passam-te a ferro em três tempos. É a lei do mais forte e desenrascado. É isso ou então aqui não te safas. Tenho-o dito. Isto é pior que a selva amazónica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Surreal

por mandarina, em 07.03.12

Se todos se queixam do mesmo, se todos comentam entre si o mesmo, se todos pensam que o problema tem uma e só uma solução, se todos querem vê-la aplicada o mais rápido possível, porque é que ninguém faz efectivamente algo para mudar a situação. Falar é bonito, mostrar-se indignado também, partilhar a indignação ajuda, mas não chega, não resolve nada. Não percebo, juro que não. É que nem sou eu que ando a pagar (a não ser com o meu tempo e a minha falta de horas de sono nocturnas decentes) a má qualidade de ensino que praticam nesta universidade. E já não me queixo dos professores e método de ensino, falo antes de uma coisa muito mais básica: o excessivo número de alunos por turma e a discrepância gritante de níveis entre os mesmos.

 

Eu escrevo a porra da carta de reclamação, eu a bolseira paga pelo governo chinês para estudar e ter como única ocupação essa a de estudar visto que ser-se estudante equivale a não poder fazer mais nada neste país, diz que é ilegal trabalhar e estudar quando se é bolseiro. Pois sim, pois sim! Eu escrevo a tal carta ou espécie de abaixo-assinado à qual provavelmente vão fazer ouvidos moucos e será ignorada, mas que, pelo menos, alguém se deu ao trabalho de escrever e que não se fica só por palavras jogadas ao vento, alguém que se sabe queixar mas que não se fica por aí: Euzinha!!!!

If you obey all the rules you miss all the fun.
Katharine Hepburn

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ir na onda

por mandarina, em 02.03.12

Andamos na onda. Na onda do que é moda. Moda é estudar chinês. Cada vez mais é moda. Até há uns anos haviam vagas e ficavam por preencher por falta de candidatos. Agora há candidatos e menos ondas.

Mas muitos de nós ainda andamos na onda. Na onda que ainda fomos a tempo de apanhar. E pensávamos nós que seria uma bela surfadela. Primeiro aprendíamos como nos colocar em cima dela, depois ganhávamos equilibrio e a partir daí já ninguém nos parava. Esqueceram-se foi de avisar que o mar às vezes é manhoso, tem umas correntes tramadas e não se deixa dominar fácil fácil. Assim é o mandarim. Quando pensamos que estamos a ganhar equilibrio tudo se complica mais um bocadinho. E tal como no surf (do qual não percebo absolutamente nada) é preciso ter resiliência para quando levares com uma onda nas trombas e ficares atarantado, agarrares no medo, metê-lo no bolso e voltar mais uma vez com mais coragem, com mais veemência, com mais espírito de vencedor.

Assim o é com o mandarim. Levas uns safanões, apanhas umas quantas (milhões) de desilusões, vês que a tua evolução é tipo de 0,0001, decepcionaste, tás ali quase como que a desistir, mas depois lembraste do prazer que é quando afinal te dás conta que nada nem ninguém é invencível. Nem que para o comum dos mortais seja chinês.

 

À hora do almoço falava-se de um queixume que vem invariavelmente à baila. Após alguns semestres cadê o domínio da língua? Perdeu-se aí por alguma esquina. A verdade é que um amargo de boca saber que ao final de 2 anos não se fala chinês como se suponha. Não quando não se dá o litro a estudar pelo menos 3/4 horas por dia fora aulas e tpcs. Não quando a exposição à língua não é constante e forçada. Não quando tens amarras na língua e os locais te desincentivam a perder a vergonha.

 

Motivação. Objectivo final. Meta. Consciência de que não há milagres, mas antes um processo longo e demorado. Muita dedicação e perseverança. Muito gostar não chega, não chega ir às aulas religiosamente, não chega ser bom aluno, não chega ter 90tas% nos exames, não chega querer. Há que obrigar, sofrer e penar. Não vai lá por gosto, não vai lá com suavidade, só vai a mal. Gostar não chega, falta a motivação e o peso da obrigação que custa mas que não há volta a dar-lhe. Como a sopa que não gostávamos mas que tinhamos de comer senão não saímos da mesa sem um valente par de estalos.

{why learning chinese is hard}

"I can’t agree with anyone who says that learning Chinese isn’t hard, because it’s got to be one of the hardest things I’ve ever done. In essence, it’s “hard” because it’s frustrating.  Actual performance does not live up to one’s reasonable expectations for one’s performance, and this is a blow to one’s ego.  It’s emotional, not rational. It takes a lot of effort to acquire an entirely new skill.  Many people simply get discouraged and quit.  “It’s too hard.”

John Pasden, linguist in sinosplice

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ting bu dong

por mandarina, em 22.02.12

Para bom entendedor meia palavra basta. Num cenário ideal. Mas estamos na China, logo nem bom entendedor nem cenário ideal.

Os chineses são realmente seres caricatos e qual não é o grau de espanto visível nas fronhas deles quando nós os aliens*, laowais, waiguorens, ou wtv tentamos comunicar com eles em chinês. Sim, em chinês, frases simples, rotineiras, banais, e repetidas vezes sem conta, e eles feitos tonhós olham para nós, extra-terrestres, com os olhos muito esbugalhados, olham, mas fazem por não ouvir, e, normalmente, das duas uma: inventam e em vez de batatas dão-nos feijões (hoje em vez de chá dera-nos garfos) ou então, se, tiverem chineses por perto connosco recorrem em seu auxílio para que eles repitam o que, só há dois segundos, acabámos de dizer.

Já vi de tudo, chineses a rir-se quando vêem estrangeiros a falar em chinês, outros com cara de tacho, outros muito surpresos e WoW mas eles, aliens, falam a nossa língua WoW!

 

Sim, vocês têm uma língua facílima de se falar e entender (not), são só 4 tons + um neutro e uma data de inflexões quando se junta um tom ao outro que muda a coisa, mas dores de cabeça à parte, fazemos o nosso melhor para nos fazermos entender no mais básico que há. É que, por amor à santa, não há paciência para tanto espalhafato e já agora se se tentassem concentrar no que nós, os aliens, vos dizemos, em vez de pensarem que estamos a falar outra língua que não esta. Sim, eu sei que na cabecinha pequenina dos chineses os extra-terrestres falam outra língua, mas nós fazemos por falar esta, mandarim, chinês, han yu. 听不懂?ting bu dong? tás a ver ou nem por isso?

 

E por falar em ting bu dong, lembrei-me que amanhã tenho 听不懂 * class, ou seja, não percebo nicles e batatóides da aula de audição. Dor de cabeça.

 

*aliens classificação dada a qualquer estrangeiro ou turista que ponha um pé no reino do meio, 中国 (zhong guo ou China para os entendidos).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uwaga*

por mandarina, em 26.01.12

*小心 [cuidado]

 

Sabes que estás a ficar chinesa quando começas a usar estes dois items:

You know you gettin into the chinese style when you start using things like these:

 

 1ro. botinhas da miss Miina (a good friend left them for me) thanks sweetie, they´re pretty hot. É como andar com umas mega pantufas e ter pés de panda gigante. NÃO é sexy, mas quem precisa de ser sexy com estas temperaturas do diabo.

 

2do. protectores felpudos para os meus ouvidinhos, que agora com o meu novo hair style não posso andar de barrete na cabeça tá visto, depois pareço uma bruxa. Salvou-me do ventoooooo que se fazia sentir em Shanghai!

 

 Já só me faltam as luvas estilo chinoca que tem espécie de atacadores para pôr à volta do pescoço quando não se usa nas mãos, que também já tive, mas como cortei os atacadores começaram a desfiar-se...uma perda terrível!

 

Depois disto já só me faltam as pestanas postiças horrorosissimas e os óculos estilosos sem lentes. Isso e andar com os olhos em bico... Também já faltou mais!!!

 

哈哈哈

Autoria e outros dados (tags, etc)

Signos Chineses

por mandarina, em 22.12.11

Uma das lendas que explica a origem do Zodíaco Chinês, e que explica a ausência do gato, entre os 12 animais, diz, resumidamente, que:

"Foi confiada ao rato a tarefa de convidar os animais para que se apresentassem ao Imperador de Jade para um banquete, onde seriam escolhidos os signos do zodíaco. O gato era um bom amigo do rato, mas o rato enganou-o, fazendo com que acreditasse que o banquete seria no dia seguinte. O gato dormiu enquanto o banquete era realizado, imaginando que só ocorreria no dia seguinte. Quando descobriu a verdade, prometeu ser o inimigo natural do rato pelas eras a partir dali."

p.s por estas e por outras (O gato dormiu enquanto o banquete era realizado) é que eu devia era ser gato, adoro dormir e deixar-me enganar (not), caso ele existisse no Zodíaco Chinês. Pobrezito do gato que se deixou enganar pelo rato e se deixou ficar a dormir.

 

 

Ano do Coelho (lebre) (兔)

            (lebre) (兔)

 

Eu sou do signo lebre e aqui ficam algumas das características deste signo:

 "As mulheres deste signo, que aparentemente podem ser vistas com dependentes e indecisas, são muito mais hábeis que os homens para enfrentar e superar os problemas comuns da vida.

O nativo de Coelho é impulsivo, embora não seja dotado de muita energia. Claramente demonstra seu desagrado com as coisas, mesmo não verbalizando isso. Seu sentido de justiça é muito exigente, pois costumam ser pessoas respeitadores das leis, pacíficas e amantes da paz. "

e, ainda,

O Coelho é um signo muito afortunado do horóscopo chinês, ele é o símbolo da longevidade (assim o espero). O Coelho simboliza a graciosidade, as boas maneiras, a sensatez, a bondade e a sensibilidade. Levará uma vida tranquila, terá muito sucesso nos seus negócios (assim o espero) e ascenderá rapidamente em qualquer carreira que escolher (assim o espero). Ámen

 

De acordo com (quase) tudo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Caligrafia chinesa - 书画

por mandarina, em 21.12.11

Pois a arte da caligrafia chinesa não vive em mim. Também eu e trabalhos artísticos já se sabe que não vamos à bola, nunca fomos não seria agora que iriamos. E depois eu até acho que tenho ideias daquelas mesmo giras, e com significado, e ideias originais para prendinhas originais. Sempre tentei dar prendas com um toque de original, normalmente tudo o que damos é tão banal, por norma já vem feito, é só comprar, embrulhar e dar. Não pomos nada de nós no presente, damos com amor, mas não damos com um pouco de nós. Desta vez, tive uma ideia muito gira para um presente de Natal atrasado e (pedido de desculpas)! Mas até aqui tudo bem, pô-la em prática é que foi mais dificil porque eu de caligrafia chinesa percebo patavina, o pincel e a tinta da China, que expande no papel sem aviso, só dificultaram a coisa. Saiu uma coisa desajeitada, mas, oh, pelo menos fui eu que fiz, e fi-lo com a melhor das atenções. É um presente simbólico, é um "gosto de ti, desculpa qualquer coisinha".

 

É um presente humilde, mas tem o meu cunho, desajeitado mas com a melhor das vontades e empenho. Não tenho a culpa de me pôr a inventar e depois não saber fazer as coisas. Nestas alturas, mais vale pensar "o que conta é o gesto, o resultado pouco importa" ainda assim tenho vergonha pelo resultado, mas não quero ter vergonha de admitir que se erro, em atitudes, não devo ter vergonha de acertar na intenção. A minha única intenção é escusar-me de ter sido injusta e má. E nisso, estou certa que, por mais infeliz (e desajeitado) que seja o objecto de pedido de desculpas, se ele for sincero e honesto então assumirá valor aos olhos de quem o recebe.

 

A guilty conscience needs to confess. A work of art is a confession.

Albert Camus

 

p.s Obrigada à Rita pela paciência, apoio e disponibilidade!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Exames - 考试 (kaoshi)

por mandarina, em 15.11.11

Época de exames...os chineses e os exames, o quanto não haveria para escrever acerca deste tópico. Para além de os estudantes chineses passarem a vida a fazer trabalhos de casa, que é normalmente proporcional ao seu tempo livre, passam a outra metade a preparar-se para os temidos exames, porque a pressão é enorme e porque é uma vergonha o aluno não passar nos exames, por isso, o medo e a vergonha é o sistema a que os professores recorrem como método de os obrigar a estudar sempre, mais e melhor. A exigência é grande, a pressão ainda maior, e as expectativas sempre lá no alto, depois é vê-los a matarem-se e a matar o tempo livre em prol dos standards a que aspiram. Num país em que, o nível de competição é alto e em que ser fraco ou preguiçoso é o mesmo que ser falhado, é ponto assente que a sua vida gire à volta dos exames e dos resultados que obtêm deles. E estudar significa normalmente pôr tudo para dentro da cabeça tal e qual o professor o ensinou. Se as respostas saem ao lado então é porque a atenção nas aulas ou a fazer os tpcs foi pouca e o poder de memorização anda a falhar, porque não se pede que os estudantes pensem por si, senão que sigam à risca as regras e não andem para ali a inventar que depois faz o professor ter de pensar e pensar dá trabalho como o caraças!

 

Mas como é sabido, os professores são exigentes, exigem pelo menos que as respostas estejam conforme o que ensinaram, por isso, alunos toca a decorar, decorem tudo, bem decoradinho, que isso é o suficiente para tirarem boas notas, boas notas essas que fazem o professor feliz e dá-lhe a sensação que o rebanho não anda perdido e que, assim, não terão problemas a explicar aos superiores o porquê da sua falha enquanto professores.

 

Odeio exames, mas daí sempre odiei, não é so desde agora, é desde que sou criança, poucas vezes os falhei, e sempre que isso aconteceu senti uma imensa vergonha, nunca fui capaz de ser leviana o suficiente para pensar, "quero lá saber, é só uma m***a de um exame". Ainda hoje penso assim, se recebo uma má nota sinto vergonha e sinto-me extremamente desiludida comigo mesma porque sei sempre, disso nunca duvido nem quando o exame é mesmo dificil, que podia ter sempre feito melhor.

 

Com os exames da passada semana foi assim, não correram bem, a culpa não é de mais ninguém senão minha. E, no entanto, já lá vai o tempo que olho para os exames como uma prova de fogo que senão for passada significa que sou uma falhada. Sei da importância dos exames, e sei que, apesar da pressão e até alguma injustiça por em 2 horas ser obrigada a mostrar aquilo que aprendi em 2 meses, é muito importante que existem estes momentos de avaliação, porque nos obrigam a rever, porque nos obrigam a estudar e porque assim conseguimos avaliar as nossas fraquezas e, o mais importante, que nos dêem conta da nossa evolução. Por isso, neste sentido, um bem haja aos exames.

 

Falo por mim, porque realmente interessa-me pouco como as outras pessoas encaram os exames, cada qual com os seus fantasmas, a mim chegam-me os meus. Eu sou stressada com os exames, lá está sempre fui, corra pelo melhor ou pior, nunca me satisfaço com pouco e com muito só momentaneamente, mas vou amadurecendo e, especialmente, nesta fase da minha vida penso que os exames no seu cômputo global só tem uma função que é a de me permitir avaliar até que ponto estou a evoluir e de que forma posso mudar para poder evoluir mais. Os exames (o conhecimento que deles advém) não é um meio em si para provar o quão excelente aluna sou, ou seja, "ai tirei 99% no exame que feliz que estou". É antes um meio para atingir um fim, que no meu caso, será o domínio da língua de modo a usá-la e tirar partido dela.

 

Não importa o conhecimento que adquiras se, ao fim e ao cabo, nunca descubras como pôr esse conhecimento em uso. Por isso, os exames são a forma que tenho para me aperceber o que tenho de melhorar, e não para provar que sou mais ou menos capaz, porque cada meio deve ter um fim em vista, e não existir por si isolado de contexto. O meu objectivo é em 2 anos saber falar chinês de maneira fluente e poder usar a língua como instrumento de trabalho. Para outros, certamente, será pelo prazer de estudar e de superarem provas, o que só prova que a forma como cada um usa o conhecimento difere de pessoa para pessoa. Mal seria se assim não fosse, era mesmo uma seca se fossemos todos iguais uns aos outros.

 

PS. vou masé estudar que amanhã há exame...o Último até daqui a um mês e meio

Autoria e outros dados (tags, etc)

糟糕 What a mess!!!

por mandarina, em 11.11.11

ZAOGAO (糟糕) - ou que rica porcaria!!!Foi assim que correram os exames desta semana. "Ah queres ir para a rambóia na semana anterior aos exames? Ah pensavas que em 3 dias, com pouqíssimas horas de sono em cima ias dar conta de aprox. 500 caracteres. Pois bem te enganaste?" A minha consciência a falar mais alto...trop tard!!!

Enfim, não correu lá grandes coisa, ontem o de gramática, que achei fácil, porque se baseava integralmente no livro, mas ainda assim saber um livro inteiro e de cor em 2 dias pareceu-me surreal...e foi! De tarde, o de Oralidade, bela piiiiiiiiii..., a professora fez tudo mal, iamos um de cada vez fazer o exame, à frente de toda a gente, logo toda a gente ouvia o que os outros faziam, supostamente uma vantagem para quem ficava para último, e desvantagem para quem tinha de se sacrificar e ir em primeiro lugar. Bom, lá para o meio o exame acabou por virar palhaçada, depois de se comentar o exercício já ninguém estava a levar aquilo a sério e as conversas iam intensificando-se e já não se percebia nada de nada, os colegas da Korea ainda acharam giro começar a trancar um moço lá fora na varanda e só se riam, eu perante isto não sabia se haveria de rir ou chorar, comportamentos infantis durante um exame parece-me extremo. Bom, mind your own business, então voltando ao exame, passámos da hora que era suposto o exame acabar mas ele continuava, afinal 20 pessoas irem 4 vezes ter com a professora "takes time, a lot of time" (demora pra caraças)! Posto isto, menos tempo para preparar o exame de hoje, da bela dor de cabeça que é a disciplina de Leitura.

Nas aulas já se percebe pouco, do exame o que dizer, mais parece uma charada que um exame, ele é caracteres que nunca vimos na vida, ele é perguntas que não percebemos porque lá está nem os caracteres conhecemos quanto mais o significado da pergunta, e ele é respostas que fazem tudo menos sentido, porque uma vez que não percebes a pergunta como se há-de conseguir encontrar a resposta. Há e depois a professora, que de todo não bate bem da bola porque certamente ainda não se apercebeu que o nosso nível é iniciação intermédia e não nível avançado, ainda se lembra, de dizer que o exame é baseado no anterior, e esquece-se de dizer que vai incluir escrever pinyin! Escrever pinyin, "whati", sim é importante mas eu vou lá decorar o pinyin de 200 caracteres, sim, talvez até devesse, mas não é normal fazê-lo se nem sequer sabíamos que o tinhamos de fazer.

A sério, exame surreal, e no fim do exame a prof. ainda veio ter comigo e perguntou-me "oh não conheces estes caracteres" eu nem respondi, só fiquei a olhar para ela com cara de parva, ao que ela continuou "de certeza que não conheces estes caracteres, este é o "tao"" e eu a pensar, olha que rica ajuda o tao, o dao, o mao...eu sei lá que "tao" é que é, e ela continua a olhar para mim e risse. (Grande suspiro)!!!

 

Enfim o que dizer senão ... ZAOGAO 糟糕

 

P.S pensei que hoje nunca mais chegaria, chegou finalmente e agora já volto a ter vida, que agora, apesar de faltar o exame de audição para mim um dos mais temidos, já posso dormir, ir às compras (comida), jantar, almoçar, voltar ao ginásio e sair do quarto quando me apetecer, e não passar horas a fio a olhar e a desenhar caracteres, a decorar-lhes o significado e a recordar se o traço fica aqui, se vai ali, se tem se não tem...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

慢慢来

por mandarina, em 24.10.11

A Rita, do http://ritanachina.blogs.sapo.pt/, está constantemente a incentivar-me quando me ouve dizer "eu nunca vou conseguir falar chinês (fluentemente)" e então ela diz: "慢慢来 (manmanlai)" que quererá dizer mais ou menos, "com calma virá" a referir-se à minha aprendizagem com o chinês. E depois, eu penso , sim, ela tem razão, preciso de ir com calma, de estudar mas não querer em tão pouco saber tudo, assimilar tudo, perceber tudo, e falar, principalmente falar. Tudo o resto é muito importante mas numa língua se não se consegue comunicar então não se consegue nada. E eu tenho, como sempre tive, este grande problema. Não sou uma pessoa muito faladora, e os que se cruzam comigo podem mesmo pensar que sou bastante desinteressante, ou mesmo um pouco anti-social, por assim dizer! Para os que já me vão conhecendo, já sabem que não sou uma pessoa tagarela, não sou de todo "talkative" e isto é um entrave para quem quer falar esta ou outra língua. Juro que me estou a esforçar por ultrapassá-lo, agora lá está "慢慢来" "devagar se vai ao longe" e lá chegarei.

Como em tudo na vida, há dias melhores outros piores, até quando se estuda uma língua,  e percebo que, até ao momento, já fiz inúmeros progressos, já consigo perceber mais do que quando cá cheguei, já não soa tudo a ruído de fundo, muitas vezes ainda soa, dia-a-dia soará menos, estou confiante disso. A verdade é que esta urgência de perceber me deixa um pouco bloqueada, e eu odeio bloquear, principalmente quando alguém fala comigo e eu paro instantaneamente de raciocinar e de ouvir. Tenho de aprender a controlar estas reacções, e perceber que o medo de errar é o maior inimigo e o mais perigoso para quem deseja algo ardentemente.

 

Exige de ti mais do que esperas ser capaz de alcançar, mas não exijas o impossível porque o impossível só traz frustração e rugas!!!

 

再见

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos