Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Os bastardos da política do filho único

por mandarina, em 01.11.11

Ontem uma das notícias em destaque no sapo.pt sublinhava que a China não abdicará da política do filho único, política essa que entrou em vigor há 30 anos e que segundo especialistas chineses evitou o nascimento de "cerca de 500 milhões de nascimentos desde sua introdução". Não quero focar-me na política que só por si é extremamente polémica, e que por uns é considerada a única maneira de impedir a superpopulação, e por outros, é vista como uma lei injusta que só discrimina os mais pobres que como não têm capacidade de "pagar" a multa que advém do nascimento do segundo filho se vêem marginalizados enquanto que os mais ricos podem sempre contornar esta lei e "pagar" o segundo filho.

 

É bem verdade que as coisas funcionam assim, muitos chineses que conheço têm irmãos e muitos pensam ter dois ou mais filhos, por isso, a verdade é que esta política é também mais uma forma de corrupção e, que mais uma vez põe a olho nú a discrepância entre ricos e pobres. Quem pode e quer pode ter mais filhos, mas sem querer ser cruel, não é justo que num país tão populoso faça sentido ser assim. A meu ver, nas famílias mais pobres, os filhos são, muitas vezes, uma fonte de mão-de-obra, uma "mão a mais" para ajudar no negócio da família, ou mesmo em casa com os mais velhos. Bom, sinceramente não me cabe a mim julgar a razão e a predisposição de pessoas mais pobres para quererem mais filhos, não digo que em todos os casos seja assim, mas muitos desses nascimentos evitados com a político podem ter significado o estancar  da pobreza do país, e, por outro, como também já se provou, veio fazer com que a população activa estagnasse e que em muitos sectores se sinta a falta de mão de obra jovem.

 

Sinceramente para mim o pior nesta situação, não são as crianças que não puderam nascer nem as famílias que viram frustradas a vontade de aumentar a família, aqui em destaque neste vídeo é precisamente a situação precária em que vivem as crianças que contra a lei acabaram por nascer e que hoje não são nada aos olhos da sociedade chinesa porque não têm identidade, não têm quaisquer direitos, não tem direito à educação, nem à assistência médica, nem ao trabalho, nem sequer o direito de se deslocarem de transportes como o comboio, avião, barco etc... a não ser numa situação ilegal.

Acho tão chocante esta situação, coloco-me no lugar desta rapariga do vídeo e só consigo sentir angústia, não ter direito a ser mais do que "ninguém", viver à margem mesmo tendo vontade de querer pertencer à sociedade e não poder fazer nada contra isso, porque os pais decidiram que ainda assim viveria sem identidade, viveria para a família e só dentro dela.

Nem sei, é uma situação tão extrema, tão insólita que nem consigo, quando a oiço contar a sua história, materializar o que significa não ter identidade, ser uma sombra, como se não existisse. Acho triste a história destes "meninos-negros" e acho que é desumano simplesmente ignorá-los e marginalizá-los e chego mesmo a pensar que sinceramente, como no vídeo alerta o especialista, é legitimo que um dia se insurjam contra o sistema e que se tornem criminosos, porque no fim de contas, se não têm quaisquer direitos também não têm de respeitar leis e uma sociedade que prefere simplesmente fazê-los desaparecer das estatísticas pelo bem do país, qual quer que seja esse bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

Rita a 01.11.2011

Muito bem escrito (mais uma vez!).
É uma situação complicada: por um lado, o controlo da população; por outro a vontade (gosto)/necessidade ("mão-de-obra" em casa) de ter mais crianças. Há ainda a questão da corrupção e as várias formas de contornar a lei. Depois, algo que desconhecia e que nem consigo imaginar estar na mesma situação: as "crianças negras". Não consigo imaginar o que é não poder ir à escola, não ter direito a cuidados médicos... O não poder apanhar um autocarro!... E de quem é a culpa? Dos pais, que, mesmo contra a lei, decidiram ter mais um filho? Do governo, que põe em prática esta legislação?
Sem imagem de perfil

pai a 01.11.2011

Longe de mim a ideia de criticar um regime , um povo ,um pais ou o modélo chines ; somente fico indignado com estas decisoes inhumanas de resolver estes problemas de populaçao .Nao tenho a soluçao para os resolver mas quando vejo que ésta medida engendrou praticas como os abortos selectivos uma vez conhecido o sexo do foetus ,os infanticidas dos novos nascidos ,os abandonos de meninas ou ainda o mal trato destas ultimas . Estou convencido que devem haver soluçoes para travar esta lei aos efeitos perversos que causou uma disporproçao de 120 homens para 100 mulheres quando a média mondial é de 103 homens para 100 mulheres.
Estes sem papeis sem direito algum ou apenas aquele de exestirem sao estimados à volta de 200 milhoes e para um pais como a china com uma densidade ao km² que nao é demasiada nao vejo qual a razao desta lei

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos