Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Coisas

por mandarina, em 27.02.12

Eu posso não ser a pessoa mais observadora, que não sou, nem a mais perspicaz, tampouco sou, mas se há coisa em que raramente erro é no julgamento que faço das pessoas. À queima roupa, posso até não perceber se a pessoa mente com os dentes todos, se a pessoa é superficial, complexa ou mediana; se é louca ou é banal; se é fria ou um pinga amores; se é super inteligente e interessante ou se é igual a mil e uma outras, e etc. Posso até falhar nestes julgamentos todos, porque não sou das pessoas mais atentas a este tipo de pistas que nos levam a conclusões destas, mas há coisa em que não falho (se é que alguma vez falhei) é perceber se quem está à minha frente é boa pessoa ou não. E isto para mim significa dizer que não é uma pessoa que se põe sempre em primeiro e não tem quaisquer escrúpulos em passar por cima dos outros, que é vil, que é mesquinha, egoísta e egocêntrica, que se faz amigo pela frente e dá facadinhas por trás a torto e a direito, que tem por prazer rebaixar os outros e ofende as pessoas de propósito. E isto não engloba tudo o que para mim faz de uma pessoa uma má pessoa, mas já é discrição que baste.

 

Nunca me engano, feliz ou infelizmente, e, ainda espero chegar o dia em que alguém me contrarie a tendência. Mas até à data não julgo ter falhado.

Essas pessoas são claras como a água, a maldade está-lhes no olhar, no trejeito da boca, e quase sempre essa maldade materializa-se em palavras.

Já dei com algumas dessas pessoas por aí, sinto sempre um desconforto tão grande, um mal-estar, um não posso contigo por perto, pessoas de maneiras grosseiras mas que aparentam muito boa educação, com palavreado disfarçado mas ainda assim vil. E, depois, se há gente que duvida e que não sabe separar o trigo do joio, talvez por ingenuidade ou bondade, há outros, tal como eu, que sabem e sentem essa maldade no primeiro impacto, e felizmente essas pessoas estão aí para me reafirmar que não são os meus olhos que inventam coisas e que, realmente, há gente que não presta e, isso, meus amigos, para quem o sabe farejar, não há como disfarçar, que a maldade é como uma doença crónica, não há como se safar dela.

 

Felizmente, também sei identificar quem é boa pessoa, ou melhor sentir com o coração, logo nas primeiras impressões e, também neste aspecto, raramente me engano. Afinal, é como diz o Principezinho, "Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos".

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos