Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


7arte: 3 must see movies #2

por mandarina, em 28.01.12

 Mais três filmes que vi recentemente e que adorei, por isso, acho que vale a pena falar neles.

1ro: ...e se de repente perdessemos todos a visão? Blindness do realizador Fernando Meirelles inspirado no livro de José Saramago, vencedor do prémio Nobel, "Ensaio sobre a Cegueira". Este filme de 2008 que conta com um elenco de luxo, uma iluminada Julianne Moore e um não menos fantástico Mark Ruffalo e com a participação do ameaçador e sempre encantador Gael García Bernal. Acho que só com este elenco é meio caminho andado para o total sucesso do filme, mas a história é imperatriz e leva-nos a assistir às 2 horas de filme com o coração na boca e com a expectativa em êxtase. O filme deixa-nos perturbados, é a condição humana levada ao extremo. É um filme muito forte, muito chocante, mas muito elucidativo de como nós, seres humanos, reagimos à perda de uma faculdade tão imprescendível como a visão. É um filme com gente real, corpos de gente real, com as nossas fraquezas, os nossos medos multiplicados à "luz" da escuridão. O filme está muito bem conseguido, acho que deixa trasparecer claramente o pavor, o desespero, o desânimo, a desorientação que qualquer um de nós sentiria se de um momento para o outro deixássemos de poder enxergar o mundo com os nossos olhos e, além disso, fossemos postos de quarentena e considerados perigosos para a humanidade. É um filme muito real, tem sangue, tem lágrimas, tem maldade e bondade própria do ser humano. Tem tudo o que faz de nós seres frágeis e indefesos, no fundo, humanos. É um filme de gente real com um problema real, de milagres, sofrimento mas também de esperança. Nota 10!

 

2do: Mother and Child de Rodrigo García que conta com a Naomi Watts (que eu adoro) e Annette Bening nos papéis principais além do magnifico Samuel L.Jackson. Este filme de encontros e desencontros, de oportunidades perdidas, de esperanças reencontradas é um filme revelador da força de uma mãe que vive com a consciência mais pesada do mundo por ter abandonado a filha à nascença. A vida contada como um fardo, um castigo, como uma má escolha pode arruniar uma existência, como um erro a determinado momento é crucial na vida de uma mãe que acaba por abrir mão da filha. Uma filha que se torna numa mulher sem família, com o fardo da solidão, uma advogada de sucesso que, no entanto, é incapaz de amar e de se deixar amar e que, tarde demais, descobre que ser mãe é a renovação da sua vida enquanto filha e mulher. Mas a vida é um intricado labirinto que surpreende nem sempre pela positiva. Morte, como o fim às vezes significa um novo recomeço. É um filme magnifico que fala de perdão, de esperança e de como pequenos grandes milagres verdadeiramente acontecem na vida de todas estas mulheres. Surpreendente.

 

3ro: Submarine de Richard Ayoade. E este foi uma boa surpresa, porque comprei o filme e pela capa julguei ter comprado este, cliquei play e veio-me parar este aos olhos, e pensei, porque não, não pode ser assim tão mau, e acabou por ser uma bela de uma surpresa. Uma vez mais, um filme com gente real dentro, o filme sobre um adolescente que, como todo o adolescente que não é uma estrela de popularidade, tem os seus problemas na escola, que se sente uma aberração e que tem problemas familiares a tentar salvar o casamento apagado dos pais. Mas o filme é lindo porque fala do seu primeiro amor e de como isso influencia a sua vida, as descobertas, a vivência ingénua e extasiada desse primeiro amor. É um filme com um rapazinho no papel principal, que fala unicamente da vida dele e das suas grandes paixões, a sua apaixonada e os seus pais. E é um filme lindissimo pela poesia do primeiro amor, pelas sensações que saltam de cada imagem, pelas pequenas descobertas, e pela angústia que caracteriza os verdadeiros apaixonados. É um filme sobre a paixão na adolescência, talvez a mais verdadeira e mais espontânea. E o melhor disto tudo, é tudo protagonizado por um rapazinho, o que dá um toque muito especial ao filme e o torna encantador. Amei, aconselho a todos os homens (rapazinhos grandes) que perderam a capacidade de se apaixonar (ou dizem ter perdido) que vejam e reaprendam.

 

Três excelentes filmes que vale a pena não perder, já não são novidades mas não devem deixar de ser vistos.

E, hoje, vi Hangover 1, tem piada, mas também não me arrancou gargalhadas daquelas, mas pronto lá está, "guys are just awesome" ahah!

Ah e o Bradley Cooper (suspiro prolongado) é um pedação de homem que vale cada segundo do filme, assim sim vale a pena ver filmes de chacha! Que pedaço de mau caminho...pronto já chega! Que homem é aquele!?

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Imagem de perfil

De Rita a 28.01.2012 às 18:18

Sim, o HANGOVER vale a pena pelo... :P

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos