Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


A vida na residência

por mandarina, em 23.10.11

Porque acordar a um sábado ou a um domingo com o barulho infernal das criancinhas que vivem neste piso me transtorna de uma maneira quase irracional, e infelizmente, às vezes esqueço-me que elas são crianças e só me apetece lhes mandar um berro e dizer para se calarem, para pararem de gritar, guinchar, espernear, e tudo o que elas durante toda a manhã, tarde e noite fazem, todos os dias, todas as horas sem interrupção.

E depois juro que penso e repenso, mas são crianças e foram confinadas a viver uma infância bastante diferente da minha, estão confinadas a um quarto igual ao meu, que deveria ser isso mesmo, um quarto para, no máximo, viverem duas pessoas, não uma família inteira de 4 ou mais pessoas. Não que tenha conhecimento se elas já viviam ou não em comunidade nos países delas (Iemén, Arábia Sáudita e países que tal ). E, que escolha têm elas senão usarem o corredor, visto que têm 5 ou 6 anos, para darem asas à imaginação e energia.

 

Quando olho para elas penso invariavelmente "oh que anjinhos, fofinhos, pequeninos" mas depois quando os oiço a andar de patins, de bicicleta ou de trotinete para trás e para a frente no corredor perco logo a boa disposição. Isso e quando faz parte da brincadeira bater à minha porta só porque sim, e quando querem entrar nos quartos deles batem incessantemente nas portas, como se a quisessem deitar abaixo, e os encontrões que dão contra a minha porta quando andam nos patins...

 

Ah, já sei que toda a gente neste dormitório tem sempre uma queixa qualquer dos vizinhos e até dos colegas de quarto, (já soube que uma vietnamita andou ao estalo e até, vejam bem, mordeu na roommate russa). Eu a ouvir histórias destas só posso sentir-me uma grande sortuda, ninguém está a invadir o meu espaço e a minha privacidade é algo sagrado, e, está, felizmente intacta por 300RMB por mês. Mas estas pobres criancinhas que choram, gritam, esmurram portas, que não param um segundo quietas, estão a dar cabo da minha sanidade mental, mesmo...

 

O silêncio e a paz são, onde vivo, (quase) tudo para mim, e aqui simplesmente é barulho e barulho constante. Acho que a minha sorte ainda é não passar assim tanto tempo no quarto e não consigo passar menos porque estudar ocupa-me a maior parte do meu tempo.

Das duas uma: ou saio daqui maluquinha de todo (já não sou muito sã) ou então acostumo-me a esta chinfrineira constante.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos