Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Estórias da minha praia

por mandarina, em 10.08.12

Na minha praia, que não é minha, mas gosto de dizer que é a minha praia, porque é aquela onde cresci, aprendi a nadar, aprendi a dar trambolhões na areia, a levar com o mar uns dias mais bravo que outros, onde aprendi, afinal e a tempo, a respeitar mar, sol e falésias. E já agora também cor das bandeiras e apitos dos nadadores-salvadores. Mas como ia a dizer, na minha praia acontecem as coisas mais surpreendentes, para mim é tipo palco de teatro sempre apetecível ao olho mais descomprometido mas bem atento porque gosto, aliás adoro, de desfrutar da vida da praia. A energia que ela emana, que começa numa onda e se propaga a tudo o resto, desde um sobrevoar de gaivotas, num andar mais apressado das nazarenas com as suas 7 saias sempre a correr de um lado para o outro, ou então a trabalhar debaixo daquele sol inclemente o dia todo sentadas a vender o seu peixe, ao andar mais desequilibrado de uma criança a dar os seus primeiros passos e a constatar que a areia não ajuda, antes pelo contrário, é simplesmente extraordinária.

 

Hoje na minha praia deparei-me com esta cena tão, como definir, tão descontraída de estar de uma senhora francesa dos seus 30 e picos, que se fazia acompanhar do seu marido e filhos, mais um casal com 2 filhos também. E o que me chamou a atenção nela, perguntam vocês? Mais uma banal família com amigos e crianças, sim de verdade eram banais, mas eram também muito descontraídos com o seu corpo. A senhora vestida de saia e top saca do seu bikini, que trazia à parte na mala, e isto já depois do marido ter feito o mesmo com os seus calções de banho, mas não teve tanto interesse como ela, ela, juro que nunca vi ninguém a despir a roupa interior e vestir um bikini com tanto à vontade e sem sequer ter toalha como ajuda. A senhora desnudou-se toda com um à-vontade tão grande e com uma naturalidade digna de uma senhora que tem consciência que sim, ali há estranhos, há gente a ver-lhe o corpo, e ela nem aí, e porque haveria de estar, olhares de estranhos lá está, não deveriam incomodar tanto como normalmente incomodam, porque não nos conhecem, e, provavelmente, nunca mais os veremos na vida.

A minha parte favorita foi quando ela saca do top, fica em soutien e saca do soutien na maior descontracção possível enfia a parte superior do bikini e depois ajeita as "mamocas" no bikini, diminutas mas ainda assim "mamocas" de mãe respeitável.

 

Isto a vocês pode muito bem nem vos dizer nada, ou então causar repulsa, ou sei lá, pudor, mas eu acho que esta senhora deu-me uma grande lição de como nós devíamos afinal e ao cabo lidar com o nosso corpo, sem o mínimo dos pudores, não digo exibir, e até concordo que, muitas vezes, topless é uma chamada de atenção principalmente em praias à pinha, mas esta descontracção só prova uma coisa, temos todos mais ou menos o mesmo, porque raio fazemos disso um bicho de sete cabeças?

 

Lindo, foi uma cena linda!

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

Rita a 10.08.2012

Ah, mulher sem pudoriii!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos