Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


China, império em risco?

por mandarina, em 15.07.12

Esta semana foi imensamente noticiado o abrandamento do crescimento económico chinês, que é algo que assusta um mundo que está fortemente dependente desta enorme economia, a segunda maior a nível mundial, e visto que a americana não está de muito boa saúde, uma China a mãos com uma crise económica significaria uma recessão sem precedentes a nível mundial.

 

Se, por um lado, peritos económicos dizem que, apesar das quebras nas exportações chinesas para a Europa e América, e a desaceleração do investimento estrangeiro no mercado chinês compromete de maneira irreversível esta economia, a solução, defendem os especialistas, passa pelo aumento do consumo a nível interno. Os consumidores chineses com um poder de compra cada vez maior, a par de um acréscimo sentimento nacionalista serão os maiores agentes na resolução deste impasse económico da sua própria economia.

 

A certeza da procura do mercado interno é uma aposta forte do governo chinês que vê agora os seus consumidores como os principais agentes na sustentação do seu modelo económico e consequente crescimento económico. Mas será o mercado interno suficientemente grande para absorver a maciça produção nacional? Eu diria que é, mas talvez não seja. Só o tempo o dirá. Se o presente não assusta ainda este mercado gigante, os maiores desafios sentir-se-ão a longo prazo com as multinacionais, principalmente as americanas, a repensarem a sua posição e continuidade num mercado que não garante uma continuidade lucrativa destas empresas em solo chinês. 

 

Este artigo da Forbes explica a conjectura. 

Sucintamente refere que as multinacionais que, em massa investiram na China no passado, e que, a nível geral, estão satisfeitas com os resultados alcançados até ao presente momento, vêem o seu futuro ameaçado e, por isso, ponderam mesmo mover-se da China para outros lociais que lhes ofereçam aquilo que a China não está disposta a dar-lhes: facilidade de acesso ao mercado; protecção a nível da propriedade intelectual e leis que protejam as empresas contra uma concorrência chinesa feroz que se adivinha tudo menos suave nos próximos anos; entre outros.

 

Será que estamos prestes a ver uma China colapsar antes mesmo de surpassar a economia americana? Se assim for, o mundo económico estará comprometido e significará o agravamento de uma crise que está já a deixar a Europa de rastos, e o contágio a uma escala mundial será, portanto, inevitável.

Esperemos que o Reino do Meio se aguente e surpreenda com uma reviravolta que só eles têm a capacidade de encabeçar.

 

O artigo na íntegra aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos