Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


"cantadas" não, assédio sexual

por mandarina, em 11.11.14

Após este vídeo, filmado nas ruas de Nova Iorque, que só veio a público provar que os piropos lançados a mulheres na rua não tem nada de inocente e constituem antes assédio sexual ficam mais dois exemplos de que este é um assunto sério, que assusta, revolta e preocupa mulheres um pouco por todo o mundo.

Partilho este post deveras pertinente que condena a ligeireza e mesmo desresponsabilização ao gozar com o tema de uma forma ofensiva e ridícula no Brasil.

Subscrevo na íntegra estes excertos do post:

Assédio é VIOLÊNCIA. É uma abordagem, muitas vezes grosseira e ofensiva, feita alheia à vontade da mulher. E como não tem consentimento, muitas vezes ela amedronta, humilha e até traumatiza. Segundo a ONU, UMA em cada 5 mulheres no mundo já sofreu uma violência sexual. É claro que muitas de nós teremos um gatilho mais sensível a esse comportamento, às tais ~cantadas~. Então por isso quem tem que ter a palavra final sobre se foi ou não ofensivo, se foi ou não humilhante, se é ou não chato ter um cara dizendo pra você sorrir, “querida” somos nós, mulheres.

Chega de fiu fiu é chega de fiu fiu, chega de assédio, chega de linda, de gostosa, chega de falar com desconhecidas na rua, chega, chega. Pelo menos no caso da Letícia a delegada admitiu que era assédio. Mas pra ela, pelo jeito, assédio só existe quando metem a mão.

“Mas tem mulher que gosta”, é o argumento preferido de uns e outros aí. Deixo com vocês a reflexão que a quadrinista Gabriela Masson, a Lovelove6, que é a criadora da maravilhosa Garota Siririca e pretende fazer alguns quadrinhos a respeito desse tema em breve:

O assédio na rua é tão naturalizado que muitas mulheres acreditam que a presença do assédio é a confirmação de que são “normais”, “aceitáveis” e desejáveis. Quando a mulher não é mais assediada na rua, mesmo tendo consciência política a respeito do que o assédio significa, pode rolar mesmo um sentimento de “ausência”, um estranhamento “será que tô feia, qual será o problema”, mas isso rola por essa introjeção da naturalidade do assédio. Especialmente porque nós crescemos sendo assediadas, desde o momento em que chega a puberdade.
Quando os assédios, pra mim, finalmente cessaram 99%, eu me deparei com esse conflito de me sentir mais segura mas ao mesmo tempo “menos desejada”. Eu tive que refletir bastante sobre esses sentimentos estranhos pra ficar de boa comigo mesma e conseguir realmente aproveitar a liberdade de andar na rua sem sofrer assédios.

Quando muito naturalmente o que deveria mesmo acontecer, sem motivo de espanto, era isto.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos