Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Valha-me

por mandarina, em 13.11.13

Acredito que tudo o que é mau nos fará sentir mais fortes, se a isso sobrevivermos. Que, apesar de não sermos inquebráveis, sabemos que até dos maus bocados podemos tirar alguma coisa de bom.

 

Eu não sei até que ponto tive a sorte de encontrar este livro, ou terá sido ele a encontrar-me. Mas para o caso de estar prestes a ceder a qualquer sentimento menos nobre vou ter isto sempre em conta, bem guardado no meu coração, ponto assente na minha razão como arma, mas mais do que isso, como certeza absoluta.

 

A armadilha do ódio é que ele nos prende demasiado estreitamente ao adversário.

Pouco a pouco, a imagem envenenada do homem desaparece-lhe do espírito, onde bruscamente surge a seguinte frase: não posso odiá-los porque nada me liga a eles: não temos nada em comum

 

Uma vez mais, Milan Kundera,

in A Imortalidade

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos